A vontade do Pai

imageDepois de algumas duras críticas, venho reiterar que a ideia aqui não é e jamais será atacar aquele que tem fé ou crenças seja lá no que for. As críticas aqui são e sempre serão ao sistema religioso e a seus líderes.

Isso porque os líderes são os que formam o sistema e o sistema controla estes homens e mulheres de tal maneira que já se tornou um círculo vicioso e aparentemente sem fim. Só aparentemente.

Preguiça de ler? Então ouça!

Imagine por um instante o que aconteceria se a maioria das pessoas resolvesse abandonar as religiões… elas perderia o poder por falta de pessoas, verba e apoio político.

Isso não significa que as pessoas que saíssem do sistema estariam condenadas ou qualquer coisa do tipo, PELO contrário, elas estariam libertas do aprisco e poderiam viver o ensinamento de forma ampla e verdadeiramente.

Recebi uma “xapuletada” na cara, quando em discussão com um evangélico eu expus as escrituras de forma pura e simples, isso na minha visão. Porém, foi uma discussão que durou dias em uma rede social.

A “xapuletada” não veio da pessoa com quem eu discutia, tanto porque foi uma discussão pacífica, sem atentados ou agressões de nenhuma parte, apenas exposição de pontos de vistas. Mas partiu da pessoa da qual discutíamos o vídeo.

Na verdade ela veio a calhar pois me mostrou que eu estava agindo de forma errada, mesmo que o que eu estava falando estava respaldado nas Escrituras.

Me foi um choque pois me trouxe um pouco mais para a realidade daquilo que eu defendo, que é o despertar.

Mas antes de tudo, quero deixar claro que mesmo recebendo uma bronca ao vivo de uma pessoa que não conheço e nem me conhece, mas ela é conhecida, creio que ele não leu completamente a discussão, pois veria que de todo que eu não estava agindo de forma bruta.

Em defesa afirmo que minhas convicções são iguais as dessa pessoa famosa, porém, menos religiosa que as dele. O que eu considero ainda um pouco de atraso da parte dele.

Saindo da discussão…

imageBom o fato é o seguinte, aqui eu cito, como qualquer outro escritor do site, as escrituras e aconselhamos sempre nas mais antigas traduções, evitando erros de traduções e adulterações por parte dos líderes religiosos.

Eu uso muito a escritura para minhas conversas com religiosos pois eles utilizam também. Não é uma questão de quem sabe mais e jamais será isso, é uma questão de conversar em pé de igualdade.

Já postei aqui antes e repito, a escritura não é a Palavra de Deus, são livros que falam sobre o Verbo e apresenta o Verbo encarnado na pessoa de Jesus, o Cristo. E é bem diferente.

O sistema religioso coloca a bíblia como a palavra de Deus pois assim entre as milhares de afirmações “bíblicas” eles podem justificar todos os seus atos e assim controlar seus seguidores, mantendo-os presos nos apriscos das igrejas . Desta forma mantém suas metas orçamentais em dia.

Quando estudamos a bíblia, percebemos que ela é inconstante e cheia de contradições e isso não adianta você se escandalizar pois é um fato.

Ora ela diz que podemos matar até mesmo nossos filhos, ora ela diz para não matar ninguém, ora ela diz para amarmos nossos amigos e odiar nossos inimigos e ora ela diz para amarmos a todos.

Sendo assim, qual parte está certa? E se tudo isso é a Palavra de Deus, que Deus confuso é este?

Acontece que se você perguntar isso a seu pastor ou padre paroquial, eles falarão que as partes confusas foram escritas por homens e para homens, mas durante um culto eles falarão que a bíblia é incontestável.

Isso não é um fato!

A bíblia são livros que contam histórias e passagens de personagens que estavam  em sua maioria afastados da Luz, e em todas as passagens ou quase todas, o Fator do Verbo existir e que um dia em AMOR este seria encarnado, direciona tudo aos evangelhos.

Parece absurdo dizer isso, mas os livros da bíblia não foram escritos há pouco e sim através de mais de 1500 anos de história e só foram agrupados da forma como conhecemos depois do ano 320 dc por Constantino no Concílio de Nicéia (fato histórico e de fácil comprovação).

imageAntes disto, eram apenas vários livros de vários autores diferentes, escritos por uma mentalidade da época em que viveu (mesmo que inspirada), e para um povo com o mesmo tipo de mentalidade. Ou seja, cada livro tem o contexto de ser escrito para uma época e tão somente deve ser utilizado para conhecimento histórico, na maior parte das vezes, sobre o que não devemos fazer.

Mesmo as Cartas dos apóstolos, elas foram escritas após a vinda do Cristo e expressava o entendimento daquelas pessoas em relação aos ensinamentos (ensinamento é o mesmo que evangelho).

Mas será que isso tudo importa para nós? É esta a verdadeira intenção do Pai?

Ora, se fosse esta a intenção, será que Jesus não teria dito aos seus apóstolos?

“Quero que vós, após alguns anos escrevam livros e agrupem, chama-lo-eis de a palavra, e seja fundada igrejas de pedra que será a casa e morada do Pai eterno!”

Mas suas palavras foram apenas para segui-lo e nada mais.

O Messias foi o “Cara” que expressou o amor em carne, não para que tenhamos dó e hoje passamos a dar o dízimo por causa disto, como se estivéssemos pagando pelo “trabalho de morrer por nós”.

Ele fez isso para que o seguíssemos, apenas isso.

mas vamos entender que segui-lo não significa que temos que morrer na cruz, mas seguir seus ensinamentos através de seus exemplos.

O Milagre não é importante, como ele afirma: “O que é mais fácil dizer, seus pecados estão perdoados ou levanta-te e anda?”

Observe o contexto e verá que por mais emocionante que seja, o milagre é temporário, mas o perdão é eterno.

Por isso, mais importante que o milagre em toda a sua complexidade, é o motivo pelo qual ele foi feito, que foi única e exclusivamente por amor.

Para segui-lo, não precisamos curar, fazer milagres nem nada, precisamos apenas amar ao próximo de forma incondicional, assim não cairemos na corrupção do mundo e mantemos vivo a nossa salvação em seu nome, que é AMOR. “Deus é AMOR”.

Por isso a parábola do pai que chamando seus filhos para ajudar na vinha, um disse que iria e não foi e o outro disse que não ia, mas foi. Ele pergunta: “Qual dos dois fez a vontade do Pai?”.

Por esta razão o importante são seus ensinamentos e não a escritura. Quem santifica a escritura senão o Cristo? E a santifica como? Com seus atos, a sua obra que é o Amor incondicional.

Seu nome é AMOR e por isso o seu nome salva.

Isso vemos na Santa Ceia, assim chamado mas o correto seria a última ceia, que ele divide o pão e pede que isso seja feito em sua memória por todas as gerações.

Mas e o contexto? Vocês entendem o conceito disto?

O sistema religioso repete a prática até os dias de hoje, ensinam assim, mas não compreendem e ensinam errado.

A Obra deve ser feita em todas as gerações, não a imitação. É a divisão do Pão! dar a quem não tem, dividir o Pão e o Vinho.

Estes são os alimentos do corpo e da alma. Tudo o que a humanidade necessita. AMOR e Caridade.

Hoje ajudamos, dividimos porque temos o que dividir, mas amanhã, poderemos receber acaso não tenhamos.

Por isso, quando recebi a “xapuletada” eu afirmei que o senhor do vídeo não me entendeu, achou que eu uso a Escritura como objeto de culto, mas não, eu apenas uso suas palavras para causar dúvidas, para que as pessoas que conversam comigo comecem a se questionar e com isso passem a procurar respostas. “Aquele que procura, encontrará…”, “aquele que bate, a porta se abrirá”.

Porque se o Cristo é o caminho, então não há outra forma de chegar ao Cristo senão seguir seus passos. AMAR ao próximo como a ti mesmo, porque esta é a Lei e os Profetas.

Seguindo seus ensinamentos, o que mais é necessário?

Postagens Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *