O Amor é o caminho, não a religião!

imageOlá mais uma vez, nesta postagem de hoje, serei mais breve que as outras, acho, e para provar de uma vez por todas que não estamos aqui para atacar nenhuma religião e muito menos nenhum religioso, mas apenas para esclarecer sobre o “sistema religioso”.

Quando me refiro ao sistema religioso isso indica claramente que o sistema ou seja, a forma como se aplica a religião no mundo, é errada. Completamente errada, mentirosa e falsa. Todas sem exceção.

Preguiça de ler? Então ouça!

Porém é de ficar claro que a essência que dá e deu início há religiões, esta é verdadeira, pois parte sempre de um mesmo princípio que é o Amor pela Humanidade. Mas infelizmente, toda a ideia primordial é corrompida já em sua raiz por aqueles que comandam.

Isso acontece porque o sistema religioso desde suas fundações, junto da fundação da humanidade, é sempre carregado de poder e muito ouro. Um não caminha sem o outro.

Essa corrupção se torna inevitável, já que o único benefício da religião (do sistema tá) é justamente o lucro e o poder.  Ou seja, por mais que a pessoa acredita que é incorruptível e o que está fazendo é em benefício alheio, ela não se sustenta nesta crença, cai inevitavelmente e se vê, as vezes por acaso e outras não, no meio do lodo da podridão e da corrupção, tão corrupto quanto o sistema, pois faz parte e é o próprio sistema.

Mas a pergunta é: Precisamos mesmo de uma religião?

Na escritura, ao contrário do que se pensa, nela não há nada que referencie qualquer religião com o termo “Salvação”. Aliás, não refere que precisamos fazer nada para alcançar a salvação!

Estranho isso né? Tem certeza que conhece a escritura?

Então vamos lá que explicarei.

Veja a diferença que faz uma frase dita da frase que está escrito:

Frase dita: “seremos julgados para saber se seremos salvos…”

Frase escrita: “seremos julgados para saber se seremos CONDENADOS…”

Alguns poderiam dizer que é apenas um ponto de vista e que na verdade das duas formas querem dizer a mesma coisa… só que não!

Se formos julgados para saber se seremos salvos, então o sacrifício do Messias terá sido em vão, já que está escrito que ele se sacrificou para nos salvar.

Então estamos salvos e não precisamos correr atrás da salvação, mas devemos ter obras para não sermos CONDENADOS.

O maior risco nesta história não é não ser salvo, já que isto já foi feito, mas o maior risco é ser condenado.

E como fazemos isso sem religião?

Na escritura está explicado de forma bem simples, basta lermos para entender. Aqui não afirmo nada, é apenas um ponto de vista, ou seja, não vá por minhas palavras e tirar conclusões, mas VÁ e LEIA por si mesmo, assim o seu entendimento não pode ser anulado por ninguém, pois a experiência é sua e não de lobos.

Na escritura diz que para seguir o Messias basta fazermos ao nosso próximo aquilo que desejamos que seja feito a nós.

 

“Ame ao teu próximo como a ti mesmo” Mateus 22:39; “Façam aos homens aquilo que desejas que lhes sejam feito, pois esta é a Lei e os Profetas” Mateus 7:12

Além disto, está escrito que no dia do juízo é somente e tão somente isto que contará, nada mais. naquele dia nos será perguntado apenas se, demos de comer, beber, vestimos, acolhemos e visitamos se cativo, ao próximo e ao necessitado, porque fazendo isto, fazemos ao Cristo e assim, ao Pai.

E continua dizendo que muitos se justificarão que em nome dele expulsaram demônios, batizaram e pregaram com profecias, porém Ele negará até mesmo conhecer. Se não tiver obras, tem condenação, simples assim.

Na escritura não esta escrito que no dia do juízo seremos perguntados: “Qual foi sua religião, se desta está salvo, se daquela, está condenado”… Não seremos perguntados: “Quanto deu de dízimo e de oferta, se pouco será condenado, se muito sentarás ao meu lado”… e muito menos: “Porque não falastes em línguas sereis condenados, porque não tomastes a santa ceia ou se comungou, serás condenado”…

Entenderam? Aonde está escrito isso?

E não adianta justificar que dá-se o dízimo ou a oferta para que o pastor, ou padre ou qual lobo e serpente for para que eles façam a distribuição aos pobres e necessitados, não adianta não, porque a obra tem q ser sua e não dos outros, não se paga a ninguém para fazer caridade, vá e faça!

Quero lembrar, que mesmo que você diga “eu estou fazendo minha parte, se o pastor/padre/sacerdote/lobo/serpente não faz e rouba o dinheiro, a culpa é dele”! Lembre-se que Adão e Eva (figurativo) foram enganados, e mesmo tendo sido enganados pagaram o preço. (E não digam também que eles foram avisados e por isso pagaram, todos nós estamos sendo avisados, então não há desculpas).

Frase de efeito: “Receberás o fruto com o suor de sua face…” e não como acontece: “Receberás o fruto com o suor da face do outro”. Finalizo com algumas passagens das Escrituras. Me alonguei, embora não fosse a intensão.

 

Porque toda a lei se cumpre numa só palavra, nesta: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. Gálatas 5:14

Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; do mesmo modo que eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai, e permaneço no seu amor. João 15:10

E dele temos este mandamento: que quem ama ao Pai, ame também a seu irmão. 1 João 4:21

Isto vos mando: Que vos ameis uns aos outros. João 15:17

Postagens Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *